Pai de maquinista da CPTM relata à polícia que filho ligou após matar colega de trabalho e disse que ‘havia feito besteira’

Polícia Civil pediu prisão temporária do maquinista Ricardo de Oliveira Dias; imagem mostra homem fugindo com arma na mão. A vítima, Marco Antônio da Silva, de 51 anos, chegou a ser socorrida, mas não resistiu aos ferimentos.

O pai do maquinista Ricardo de Oliveira Dias, de 45 anos e que está sendo procurado pela polícia por matar o colega de trabalho Marco Antonio da Silva, de 51, em uma área interna da Estação da Luz, afirmou à polícia que o filho ligou para ele após o crime e admitiu que “havia feito besteira”.

Marco Antonio foi velado e enterrado na manhã desta terça-feira (27) no Cemitério Municipal Bela Vista, em Osasco, Grande São Paulo. Ele era supervisor de tração e trabalhava na CPTM desde 2012.

Além de Marco, Ricardo também disparou contra outro funcionário, de 53 anos, que ficou com ferimentos no pé. A motivação está sendo investigada, mas testemunhas relataram ao g1 que o crime foi por motivo banal e que os envolvidos não tinham desentendimentos anteriores.

No depoimento, o pai relatou que Ricardo saiu para trabalhar normalmente no último domingo (25), por volta das 11h, com sua moto Yamaha YBR. Porém, por volta das 17h, telefonou pedindo para que o pai pegasse dinheiro e colocasse o dinheiro na conta de seu irmão.

Depois, o maquinista contou ao pai na ligação que “havia feito uma besteira”, dizendo que alguns colegas de trabalho estariam o humilhando e que teriam o ameaçado de morte, e por isso “não teria aguentado e metido bala”, desligando o telefone em seguida.

Conforme o pai, ele só soube que o filho havia atirado contra dois colegas do trabalho depois que policiais militares e guardas ferroviários foram até sua casa, e alegou que não tem conhecimento do paradeiro do filho.

Ainda segundo o depoimento, o pai de Ricardo também afirmou à polícia que seu filho recentemente ficou afastado alguns dias da CPTM por problemas psicológicos, tendo retornado na última semana. Porém, teria pedido para ser afastado novamente para se submeter a tratamento psicológico.

A Polícia Civil apreendeu milhares de munições de diferentes calibres na casa do maquinista nesta segunda-feira (26). Elas foram achadas no quarto de Ricardo.

O pai disse à polícia que não tinha conhecimento de que o filho tinha arma de fogo e que ele nunca comentou sobre gostar de atirar ou frequentar clubes de tiro, pois “era fechado”.

Ainda de acordo com a polícia, além de cumprir mandado de busca e apreensão na casa dele, em São Paulo, também foram cumpridos mandados na casa de parentes em Pouso Alegre, Minas Gerais na segunda.

A delegada responsável pelo caso, Maria Cecilia Castro Dias, informou à TV Globo que o maquinista é ex-PM, mas não tem porte para arma de fogo e munição. Por isso, ele deve responder também, além de homicídio, pelo crime de porte ilegal de arma de fogo.

 

By Alessandra Gomes

Deixe um comentário

Confira!